Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

Sotaques

Em algumas ocasiões, já me deram a "achega" que de vez em quando eu perco o meu sotaque nortenho e começo a falar aquilo que o Môce dum Cabréste fala neste vídeo como "português standard". Faço o mea culpa, é verdade. Mas tem uma razão de ser, o meu tom de voz. Tenho um tom a puxar para o grave, o que não ajuda em contexto de conversa telefónica ou presencial. Se juntarmos a isso o meu sotaque do Norte, mais grave a minha voz parece. Por isso, e instintivamente, sempre que atendo um telefonema ou tenho um hóspede ao balcão, o meu tom de voz fica mais agudo e sem sotaque.

Mas se há coisa que eu adoro ouvir são sotaques. Ok, nem todos... Experimentem ter um Indiano a falar inglês convosco. Se cara-a-cara é mau, ao telefone Minha Nossa Senhora! Não se apanha uma para a amostra! Perde-se a conta à quantidade de vezes que se repete "I'm sorry. Can you repeat, please?". Japoneses a falar inglês também não são fáceis. Galeses também têm um sotaque muito cerrado... Mas esses são as excepções.

Gosto dos sotaques da Irlanda e da Escócia. Gosto de ouvir um brasileiro a falar. Derreto-me com um "Go'day mate" australiano. Sinto-me em casa a ouvir o sotaque de pescadores. Gosto de ouvir alentejanos e algarvios, beirões e minhotos, nortenhos e transmontanos, açorianos e madeirenses. Gosto do seu léxico muito próprio, daquelas expressões deliciosas que só existem num determinado lugar.

É uma riqueza muito nossa, um motivo de orgulho e que vale a pena preservar.