Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

This Is Me in a Nuttshell

This Is Me in a Nuttshell

A Correspondência de Fradique Mendes: Memórias e Notas

WIN_20170305_13_39_55_Pro.jpg 

Autor: Eça de Queirós

Editora: Livros do Brasil

Ano: 2005

 

" De sorte que dele bem se pode dizer que foi o devoto de todas as religiões, o partidário de todos os partidos, o discípulo de todas as filosofias - cometa errando através das ideias, embebendo-se convictamente nelas, de cada uma recebendo um acréscimo de substância, mas em cada uma deixando alguma coisa do calor e da energia do seu movimento pensante" (pág. 68)

Assim é descrito Carlos Fradique Mendes, homem das letras, das filosofias e dos prazeres da vida que começa a fazer furor nos jornais portugueses em 1869. É um homem viajado, culto, conhecedor das mais variadas teorias filosóficas. Pode agradecê-lo à avó, D. Angelina Fradique, que o criou desde tenra idade nos Açores, e que não se limitou a dar-lhe apenas a educação habitual. Os vários professores que o acompanharam deram-lhe um vasto conjunto de conhecimentos de todos os quadrantes.

A primeira parte do livro funciona um pouco como uma apresentação desta personagem. Personagem essa irreal, criada pela Geração de 70 ou Geração de Coimbra, um movimento académico do séc. XIX que veio trazer novas tendências à sociedade, desde a política à literatura. Um dos seus maiores contributos foi a introdução da corrente literária realista, do qual foram prolíferos Ramalho Ortigão ou o próprio Eça de Queirós. Nos capítulos mencionam-se personalidades reais a quem mais tarde foram escritas cartas, num exercício de extrema complexidade e brilhante execução.

Já a segunda parte do livro debruça-se sobre as cartas. As cartas a senhoras são enviadas ora à Mme de Jouarre ou à sua amada, Clara. Já as cartas enviadas a homens dividem-se entre poetas, engenheiros, políticos, jornalistas.

“Assim passamos o nosso bendito dia a estampar rótulos definitivos no dorso dos homens e das coisas. Não há acção individual ou colectiva, personalidade ou obra humana, sobre que não estejamos prontos a promulgar rotundamente uma opinião bojuda. E a opinião tem sempre, e apenas, por base aquele pequenino lado do facto, do homem, da obra, que perpassou num relance ante os nossos olhos escorregadios e fortuitos. Por um gesto julgamos um carácter: por um carácter avaliamos um povo.” (pág. 216)

Os temas abordados também são variados. Desde a religião ao estado da sociedade portuguesa, Fradique Mendes não se coíbe de lançar as suas provocações à moral instituída. E neste momento, o leitor, mesmo sem conhecer a origem desta pessoa, fica a pensar se realmente aquela pessoa existe ou se há ali dedo de alguém mais.