Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

This Is Me in a Nuttshell

14
Fev17

Cruzando o Caminho do Sol

corban addison.jpg

Autor: Corban Addison

Editora: Novo Conceito

Ano: 2012

"- Você não está aqui porque eu sinto prazer no comércio sexual. Você está aqui porque existem homens que gostam de pagar por sexo. Eu sou apenas o intermediário. Alguns homens de negócios vendem objetos. Outros vendem conhecimento. Eu vendo fantasias. É tudo a mesma coisa."

Eis o grande drama do mundo moderno. Haver humanos que acham normal fazer de outros humanos mercadoria e com isso comprar e vender vidas humanas a seu belo prazer.

Quando um Tsunami devasta a zona costeira da Índia, Sita e Ahalya Ghai, duas irmãs, são deixadas à sua sorte. Toda a família foi apanhada pela mortandade daquela onda. Na tentativa de alcançar a segurança do colégio de freiras de St. Mary, as irmãs acabam nas malhas do tráfico. Obrigadas a submeterem-se às perversões de quem paga por sexo, as meninas são atiradas para o mundo dos bordeis, dos clubes de striptease, da pornografia e da prostituição de luxo ou de rua. E se primeiro as duas meninas não entendiam o porquê daquela vida, depois resignaram-se.

"Uma beshya não podia esperar da vida nada além do ar em seus pulmões, água e comida em seu estômago, um teto sobre sua cabeça e a afeição daquelas como ela. Para sobreviver em um mundo como esse, ela teria que arrancar o coração do corpo. Não havia outra opção."

Já Thomas Clarke viu o tapete a fugir-lhe debaixo dos pés. Primeiro pela esposa que voltou para Mumbai após a morte da filha e depois pela sociedade de advogados em que trabalhava depois de perderem um caso altamente mediático. Colocado entre a espada e a parede, ingressa por um ano na ACES, em Mumbai, para ajudar a travar o tráfico humano na Índia.

Como não está editado em Portugal, a edição que li tem tradução do Brasil. Mas não foi entrave, as descrições horrendas das condições das raparigas são poderosas e horripilantes em qualquer língua. O asco por quem trata pessoas como animais da feira do gado passa para o leitor em qualquer língua. A sensação de desespero e medo de quem se vê privada da liberdade passa em qualquer língua. E mesmo a parte mais descritiva do texto relacionado com a Índia transparece de qualquer maneira para quem lê. O fedor das ruas mal limpas. Os escapes das centenas de motos, carros, autocarros, riquexás que serpenteiam perigosamente pelas ruas da cidade. E com o avançar da leitura, sentes que estás a levar um arraial de pancada emocional e cresce em ti uma onda de indignação face a tudo isto. Aos criminosos que dão a volta ao sistema para se safar, à sociedade que fecha os olhos para não se chatear muito.

Livros destes precisam existir para que se abram as mentes, que os vícios de milénios sejam abandonados, para que o humanismo não seja apenas uma palavra bonita para incluir em relatórios pomposos. Mas principalmente para que se restaure a fé que, uma pessoa de cada vez, se vai conseguir que pessoas deixem de comprar pessoas.

O que estou a ler?


goodreads.com

Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Comentários recentes

  • Isabel Maia

    É verdade, Maribel. Quem fez as decorações nestes ...

  • Maribel Maia

    São mesmo giros os barcos...

  • Isabel Maia

    Acho que esse é um caso comum nos momentos de paus...

  • Maribel Maia

    A opção de escolha, não muda muito no verão, leio ...

  • Isabel Maia

    Também gosto muito. Torga tem uma escrita que me a...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens