Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

Minha Vida Não Faz Sentido (2017)

Meus amigos, em pouco tempo eu tornei-me uma "coruja maluca". Devem estar a pensar "Hein?! O que é que esta quer dizer com isso?" Para quem está fora do universo Youtube, as "corujas" são os seguidores do canal do Felipe Neto.

O Felipe Neto é um criador de conteúdo Youtube do Brasil completamente doido, irreverente (a prova disso é aquele cabelo que já vai em quase 5 cores diferentes no último ano), em alguns momentos corrosivo e com uma língua de trapo que mete dó. Acreditem, pior que velha da Ribeira do Porto!

Uma das rubricas que fez mais sucesso no canal foi a "Não Faz Sentido", logo nos primórdios. A rubrica virou livro e o livro virou peça de teatro.

felipe-neto-minha-vida-nao-faz-sentido_80162210.jp

Olhando para trás, o Felipe procura perceber porque é que aquele personagem rezingão, que reclamava de tudo e aparecia em frente de uma câmara com um discurso raivoso fazia tanto sucesso. A resposta estava precisamente na raiva. O ser humano tem uma tendência inerente para se identificar com a raiva, com o ódio.

Ao percorrer o seu próprio percurso de vida, ele reflete também sobre algo que todos nós nos vamos identificar. A tendência também inerente do nosso cérebro ser o nosso pior inimigo. Essa função melga de ter um grilo falante na mente que diz "Esquece, isso vai dar asneira!", "Não vais conseguir", "Isso vai correr mal". O nosso cérebro tem sempre medo do desconhecido e por isso bloqueia as iniciativas para que sigamos os nossos sonhos. O conselho para enfrentar os medos e seguir os sonhos é simples e apenas um: dar uso ao belo do botão bem vermelhinho do "foda-se" (e desculpem lá o meu francês).

Mesmo com mais palavrões que os 3 filmes do Balas e Bolinhos juntos, vale a pena ver. É o género de peça que se encaixa na filosofia das sátiras clássicas do teatro, a rir é que se criticam os costumes. A rir é que as pessoas poem o dedo na ferida e abrem os olhos de outros para o sistema educativo que cria autómatos, para sociedades que vêm com preconceito quem está fora da norma (o texto sobre homofobia é brilhante), para a nova forma de relação em família.