Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

This Is Me in a Nuttshell

This Is Me in a Nuttshell

Minha Vida Não Faz Sentido (2017)

Meus amigos, em pouco tempo eu tornei-me uma "coruja maluca". Devem estar a pensar "Hein?! O que é que esta quer dizer com isso?" Para quem está fora do universo Youtube, as "corujas" são os seguidores do canal do Felipe Neto.

O Felipe Neto é um criador de conteúdo Youtube do Brasil completamente doido, irreverente (a prova disso é aquele cabelo que já vai em quase 5 cores diferentes no último ano), em alguns momentos corrosivo e com uma língua de trapo que mete dó. Acreditem, pior que velha da Ribeira do Porto!

Uma das rubricas que fez mais sucesso no canal foi a "Não Faz Sentido", logo nos primórdios. A rubrica virou livro e o livro virou peça de teatro.

felipe-neto-minha-vida-nao-faz-sentido_80162210.jp

Olhando para trás, o Felipe procura perceber porque é que aquele personagem rezingão, que reclamava de tudo e aparecia em frente de uma câmara com um discurso raivoso fazia tanto sucesso. A resposta estava precisamente na raiva. O ser humano tem uma tendência inerente para se identificar com a raiva, com o ódio.

Ao percorrer o seu próprio percurso de vida, ele reflete também sobre algo que todos nós nos vamos identificar. A tendência também inerente do nosso cérebro ser o nosso pior inimigo. Essa função melga de ter um grilo falante na mente que diz "Esquece, isso vai dar asneira!", "Não vais conseguir", "Isso vai correr mal". O nosso cérebro tem sempre medo do desconhecido e por isso bloqueia as iniciativas para que sigamos os nossos sonhos. O conselho para enfrentar os medos e seguir os sonhos é simples e apenas um: dar uso ao belo do botão bem vermelhinho do "foda-se" (e desculpem lá o meu francês).

Mesmo com mais palavrões que os 3 filmes do Balas e Bolinhos juntos, vale a pena ver. É o género de peça que se encaixa na filosofia das sátiras clássicas do teatro, a rir é que se criticam os costumes. A rir é que as pessoas poem o dedo na ferida e abrem os olhos de outros para o sistema educativo que cria autómatos, para sociedades que vêm com preconceito quem está fora da norma (o texto sobre homofobia é brilhante), para a nova forma de relação em família.

 

Stand Up no Urban Social Club (Fev.'17)

Para começar este post, vou ter que citar uma frase dita pelo Rui Xará ontem à noite: "Este bar caiu-me no goto". A roupa pode vir a tresandar a tabaco, os pulmões e os olhos podem sair de lá a reclamar por causa do fumo mas, é pá!, que se lixe. Uma pessoa sai dali nova! A alma regressa a casa (salvo seja) renovada, refrescada, desempoeirada. Isto numa semana em que li um artigo onde se dizia que "o humor é uma questão de sobrevivência", foi como que a cereja no topo do bolo.

Mas para não me perder, Urban! Tive a oportunidade de conviver um pouco mais com o staff do espaço e com os dois humoristas da noite, o Rui Xará e o Ricardo Couto. Tudo malta cinco estrelas, super simpáticos, em pouco tempo estás entre amigos e para ajudar, que a mesa sempre foi ponto de encontro, a comida é boa (aguardam-se consequências por parte do sistema imunitário. shiuuuu...).

Quanto ao stand up, quem começou foi o Ricardo Couto. Um set muito bem construido apesar da pouca rodagem de palco (faltou-lhe o improviso de se meter com a audiência). Faz o tipo de humor que eu gosto e tive oportunidade de lhe dizer isso no fim da noite. Quer-me parecer que vai longe. Uma pequena parte do set apresentado está neste vídeo.

Comparado com Dezembro, o ambiente estava diferente. Menos gente, menos interrupções. O texto flui com mais facilidade e o humorista que gosta de se meter com o público consegue improvisar sem o risco de haver um ou outro espertinho armado ao pingarelho.

O Rui Xará, pelos 18 anos de palco que já leva, tem essa facilidade. Faz do público e da improvisação com a audiência texto para o set. E com a naturalidade de quem já anda nisto há muitos anos, vai misturando texto mais do que testado com piadas novas, as músicas quase que "obrigatórias" com outras que vai cantando. Gosto muito do texto do vídeo que se segue.

 

Urban Social Club

Praça José Régio, 78 - Vila do Conde

252 093 237

Stand Up Comedy no Urban Social Club

Nos últimos meses, o bar Urban Social Club em Vila do Conde, tem feito noites de stand up comedy, habitualmente ao ritmo de uma por mês. As honras da casa têm sido feitas pelo Rui Xará, comediante de stand up da velha guarda. E com ele tem trazido sempre novos talentos do humor.

Ontem finalmente as estrelinhas alinharam-se a meu favor e consegui lá ir. Bar pequeno mas com bom ambiente, com o pequeno grande senão de permitir fumar lá dentro (ainda tenho o cheiro a tabaco entranhado na pele...), staff simpático. Para além de bar, têm cozinha onde preparam hamburgers, saladas, pizzas, etc.

O primeiro a atuar foi o convidado do Rui Xará, Ricardo Leite. Uma boa parte do set que apresentou está neste vídeo:

(os avisos da praxe: estão por conta e risco quanto à linguagem pois não é, de todo, familiar)

O mal de uma atuação qualquer num bar é precisamente o facto de ser um bar. As pessoas conversam, bebem (alguns um bocado acima da conta). Mas mesmo assim, o chefe da noite, Mr. Xará, conseguiu dar a volta às interrupções, transformou muitas delas em texto para o set dele e quando entrou em velocidade de cruzeiro partiu a loiça. Piadas dos sets antigos (como algumas que podem ouvir no vídeo), textos que está a colocar agora nos sets. Eu que entrei de "maus fígados", saí completamente leve de tanto rir e a pedir mais.

 (os avisos da praxe: estão por conta e risco quanto à linguagem pois não é, de todo, familiar)

 

Urban Social Club

Praça José Régio, 78 - Vila do Conde

252 093 237

Black Friday

Meus amigos, fiquem com a opinião do Dário Guerreiro aka Môce dum Cabréste sobre essa importação mal amanhada que fizeram por cá que é a Black Friday. É que as benditas promoções duram o fim de semana todo na maior parte dos casos. A ser assim, chamem-lhe Black Weekend!

Quanto à linguagem, bem, já sabem, estão por conta e risco que isto de se falar para a Internet dá corda à língua e sai de tudo.

Sigo no Youtube... Môce dum Cabréste

Se o Wanted Adventure foi o primeiro canal que subscrevi, o do Môce dum Cabréste foi o último.

Se vos falar do Dário Guerreiro, provavelmente a resposta de muita gente vai ser "Hein?! Quem é esse?". Agora se falar do Môce dum Cabréste, muita gente já o conhece.

Comecei a acompanhar a carreira dele há pouco tempo por causa das participações que fez em dois roasts. Ora bem, um roast é um momento em que uma série de humoristas (ou não) homenageiam alguém da maneira mais ordinária e insultuosa possível. Meus amigos, algumas piadas ali ditas, seja aos restantes participantes, seja ao homenageado, são verdadeiras entradas a pés juntos com direito a vermelho directo! Um dos roasts foi à Sic Radical, o outro ao Rui Xará.

Ora bem, o Dário é um algarvio de gema, com um sotaque delicioso e que faz o género de humor que eu gosto. Os vídeos que ele faz são muito frontais, muito acertivos, o tipo de assunto que se ouve e se diz "É isso mesmo! Agora é que tu disseste tudo!". Mas não se enganem, quando ele entra numa veia mais carroceira, não fica pedra sobre pedra.

Eu vou deixar aqui a participação dele no roast ao Rui Xará. Fica já o aviso, muita asneira, muito palavrão, muita piada pesada. Vejam por conta e risco. O meu lado carroceiro já viu isto uma porrada de vezes e escangalho-me a rir sempre.