Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

This Is Me in a Nuttshell

... que é como quem diz, esta aqui sou eu. Rodeada de livros, com música nos ouvidos, com cinema ou séries no ecrã da TV ou Youtube no computador. Não é difícil me fazer feliz. Bem vindos :)

Uma Família Inglesa

Julho 05, 2017

Uma Família Inglesa.jpg

Autor: Júlio Dinis

Editora: Editorial Comunicação

Ano:1985

 

Fruto das longas e prósperas relações comerciais entre Inglaterra e Portugal, o número de emigrantes vindos do país de Sua Majestade sempre foi elevado. A comunidade que se formou no Porto era uma das maiores do país e é dessa comunidade que faz parte uma das famílias que protagoniza este enredo.

Richard Whitestone é um exemplo perfeito do típico chefe de família inglês. Dono de uma conceituada firma de exportação situada na Rua dos Ingleses, viu-se viúvo muito cedo com dois filhos para criar. Carlos é o bon-vivant, o típico jovem irresponsável que presta pouca atenção às questões familiares, mais preocupado com as acesas discussões filosóficas à mesas dos cafés. Já a irmã, Jenny, assumiu o papel de dona da casa desde a morte da mãe. Muito ponderada e reservada, trabalha incansavelmente para colocar o irmão nas boas graças do pai. Para Mr. Whitestone trabalha Manuel Quintino, seu mais antigo guarda-livros. Também ele viúvo, Quintino é pai de Cecília, uma jovem menina muito próxima de Jenny.

Em plena noite de Carnaval, Carlos e os amigos percorrem alguns dos espaços nocturnos da cidade como o Café Águia d'Ouro ou o Café Guichard, onde vários bailes de Carnaval estão a acontecer. Num desses, Carlos cruza-se com uma misteriosa mascarada com quem entabula conversa a noite toda. Ao insistir em acompanha-la a casa, a mascarada cita o nome de Jenny e Carlos não descansa enquanto não descobre quem é ela.

 "Mas o pensamento humano, quando deveras tomado por uma ideia fixa, em vão se esforça por arrancá-la de si; em vão se desvia para direcções diversas; como um pendor natural o faz voltar de novo a ela." (pág. 302)

Ao contrário de outros escritores da época que retratavam as velhas famílias aristocráticas decadentes ou criticavam os costumes demasiado burgueses da população ou a falência das instituições, Júlio Dinis tem uma visão mais "cor-de-rosa" daquilo que estaria para vir. Viviam-se tempos mais prósperos por isso, este preferia antes enaltecer a iniciativa dos empresários, os esforços dos empreendedores da época. Isso faz com que o texto não tenha um cunho tão realista, como se encontra facilmente em Eça de Queirós, mas antes um sentimento mais idealista. E não há história mais idealista do que aquela para que se inclina o enredo. A menina simples mas trabalhadora que cai nas graças do jovem abastado mas cujo romance sofre sempre uma série de entraves.

"Pelo contrário, ao declinar da tarde, entrava-lhe no coração a nostalgia doméstica: começava a odiar o escritório, a Rua dos Ingleses, o burburinho das praças, e a suspirar, como um expatriado, pela alegria do regresso; extasiava-se em ver de casa o astro do dia, e sumir-se no oceano; espectáculo magnífico ao qual da varanda da sala de jantar assistia com o prazer do espectador que de um camarote de frente presenceia a vista final de glória de um drama sacro." (pág. 199)

Júlio Dinis passa também para a narrativa uma extensa caracterização dos espaços físicos e sociais do Porto, desde as ruas mais comerciais, as zonas de boémia como os teatros ou os cafés na zona onde existe hoje a Praça da Batalha, a zona da Foz ou o bairro onde se concentravam a grande maioria das famílias inglesas que hoje corresponde à zona de Cedofeita. A título de exemplo, o Cemitério dos Ingleses e a Igreja Anglicana existem até aos dias de hoje e ficam junto à Maternidade baptizada precisamente com o nome de Júlio Dinis. Mas a principal mensagem que passa no livro vai de encontro aos cânones morais da época. O mais importante da vida é a família e que o trabalho e a dedicação a uma causa ou uma profissão são o bastante para a redenção de uma pessoa, tornando-a numa pessoa de bem.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.